BGS 2018 | Hitman 2 mantém alto nível de detalhes e melhora qualidade de vida

O Agente 47 é um personagem conhecido pela sua capacidade de se adaptar os reveses e contornar situações que pareciam impossíveis. Dito isso, parece até simbólico que Hitman 2 seja lançado, apesar de toda a saga da IO Interactive, desenvolvedora do game.

Em maio de 2017, a Square-Enix, então publicadora da série do Agente 47, anunciou que teve perdas de cerca de US$ 43 milhões relacionadas à operação da IO Interactive, muito disso por conta do baixo faturamento com o jogo. Isso fez com que a Square-Enix tentasse passar para qualquer investidor esta responsabilidade, minando a esperança de muita gente sobre uma continuação.

A IO Interactive então se tornou independente, mas passou a publicar esta consagrada franquia com a Warner Bros. Games. A distribuidora foi sagaz em puxar o Agente 47 para si. O último Hitman, lançado em 2016, foi muito bem aclamado pela crítica, considerado inovador ao realmente trazer ambientes complexos, com várias possibilidades e NPCs, narrativas e muitas oportunidades para eliminar o alvo da forma que se quer. A IO Interactive mostrou que sabe usar das capacidades da geração atual para criar um ambiente realmente imersivo.

Testamos a demo na BGS, a qual coloca o Agente 47 em um autódromo em Miami (Foto: Dreek Keller/Canaltech)

Se é tão bom, por que vendeu tão pouco? Bom, analistas ligam este fraco desempenho ao sistema de vendas em episódios, motivo que leva a IO Interactive e Warner abandonarem de vez o modelo. Ou seja, Hitman 2 chega em um pacote só.

Por conta disso, a série mantém muito do que foi elogiado: os ambientes fechados, embora gigantes de cada cenário, em detrimento do que poderia ser um pobre mundo aberto.

Gameplay

O Canaltech testou um dos novos ambientes durante a Brasil Game Show, a convite da Warner. Ao Agente 47, é dada a missão de eliminar dois alvos em um complexo automobilístico que envolve não só uma pista de corrida, mas um centro de exposições com toda uma gama de narrativas próprias.

Com pouco tempo para testar o game, foi preciso certa habilidade para conseguir matar ambos os alvos: coisa que não tivemos. Contudo, há algumas facilitações para que o jogador não se sinta totalmente perdido naquele vasto ambiente cheio de NPCs.

Aqui começa a grande sacada de Hitman 2. É possível jogar de duas formas possíveis. A primeira é ir descobrindo, sem mapa, sem indicações ou auxílios externos, caminhos mais amplos pelos ambientes e tentando descobrir como chegar até seu alvo. Isso requer que o jogador retorne várias vezes até o local e vá testando entrar aqui e ali, ouvir conversas lá e cá, para se aproximar e matar o alvo o mais rápido e limpo possível.

Uma segunda é seguir as indicações de oportunidades que o jogo oferece. Foi neste caminho que optamos por seguir. A história da demo envolvia o magnata e dono de uma empresa de tecnologia que vende armas ilegalmente, chamado Robert Knox. Ele e sua filha, Sierra Knox, fazem parte de um esquema de contrabando. O jogo nos colocou num autódromo de Miami, no qual Sierra, amante de corrida e piloto amadora, iria se aventurar em alta velocidade.

Aqui, é possível modificar o carro para que ela sofra um acidente, atirar enquanto ela dirige e até mesmo matá-la enquanto se prepara para entrar no veículo. Sim, as opções são gigantescas, embora o game só apresente algumas poucas guiadas. Infelizmente, por conta do pouco tempo, não foi possível aproveitar muito do que a fase pode oferecer, mas já ficou claro que há a chance de de simplesmente meter uma bala na cabeça do alvo até um se aproveitar de um complexo sistema mecânico para forçar uma batida de Sierra.

O jogo, contudo, pontua o usuário depois de terminadas as missões. Quanto mais preciso o jogador for, mais pontos ele ganha. Por exemplo, se não há nenhuma morte além das encaminhadas, mais pontos são contabilizados. Ou, se o jogador resolver eliminar arquivos de câmeras de segurança para apagar vestígios, ganha mais pontos também.

O ambiente é bem bonito e lembra realmente a cidade norte-americana, com suas pontes e grandes prédios no centro. Embora todo o ambiente esteja muito bonito, a qualidade gráfica, rodando em uma build no Xbox One X, deixa um pouco a desejar. Em contrapartida, a riqueza de detalhes e quantidade de coisas que se movimentam pela tela impressionam e compensam a qualidade gráfica não tão magnífica.

 

Por outro lado, a grande quantidade de informações no ambiente pode criar uma sensação de desnorteio, já que itens cruciais por vezes se misturam com enfeites do cenário.

Por isso, vale ficar bem atento às dicas e às falas do jogo. O game deve chegar todo dublado em português, o que deve ajudar e muito a entender toda a cacofonia que Hitman 2 oferece propositalmente. Apesar de ter de ouvir cochichos e acompanhar conversas enquanto anda, o som do título traz alto nível, com ambientação 3D que facilita o entendimento de inimigos e alvos.

O game ainda tem alguns de seus cacoetes bizarros, mas que parecem necessários para que o jogo não se torne impossível. Por exemplo, o modo como matamos Knox envolvia se passar por um cientista/entusiasta para quem ele faria uma apresentação de armamentos. Corremos então atrás deste disfarce que basicamente era roubar a roupa deste cientista: um terno um pouco diferente do habitual do Agente 47.

Só esta mudança de roupa já garante que recepcionistas e até Knox o confundam, o que acaba por tirar um pouco da imersão de toda narrativa.

Em suma, Hitman 2 mantém o mesmo tom de seu antecessor, com poucas novidades, mas algumas melhorias de vida. É impressionante como a IO Interactive conseguiu manter o nível do jogo, mesmo após os problemas financeiros, além de demissões grandes na equipe.

Seguindo a mesma pegada, em um modelo que não envolvia episódios, mais imersivo na história, Hitman 2 tem tudo para ser tão aclamado quanto o primeiro. Talvez, com vendas melhores.

De quebra, o game ainda chega com possibilidades de multiplayer. Serão dois diferentes. O primeiro é o Sniper Assassin, em que um jogador se mantém como atirador de elite e ajuda o outro a passar pelo caminho até o alvo.

O segundo é o Ghost Mode em que dois jogadores caem em um mesmo cenário e quem eliminar cinco alvos primeiro, leva a melhor. São dois jogadores competindo em um mesmo cenário, mas em universos diferentes, para que a ação de um não interfira na do outro.

 INSIRA O TEXTO OU APAGUE ESSA LINHA!

Hitman 2 chega em 13 de novembro de 2018 para PlayStation 4, Xbox One e PC.

via Canaltech

Publicado por Carlos Trentini

Eu, eu mesmo e eu, agora e nas horas vagas...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *