Inteligência artificial pode prejudicar mais as mulheres no mercado de trabalho

De acordo com um relatório do Fórum Econômico Mundial, as mulheres correm um risco maior de perderem seus empregos com o avanço da automação e das inteligências artificiais. Os dados mostram que, de 1,4 milhão de empregos nos Estados Unidos que serão impactados pela tecnologia, 57% são executados por mulheres.

Entre as razões que justificam esse cenário está o fato de que muitas funções são realizadas mais por um gênero em detrimento do outro — o estudo cita como exemplo profissões como assistentes administrativas e secretárias. O Fórum prevê que cerca de 164 mil empregos correm risco de serem desocupados por humanos, com o aprimoramento de softwares de IA para ocupar essas funções.

O cenário é especialmente preocupante ao considerar que mulheres têm, em geral, salários menores do que homens no mercado de trabalho, e muitas delas, que atuam em áreas predominantemente masculinas, precisam constantemente provar suas habilidades.

Ainda de acordo com o estudo, mesmo que as mulheres adquiram mais habilidades para se adequar a esse futuro próximo, elas ainda terão menos opções de trabalhos em áreas como a tecnologia, onde os profissionais do gênero masculino ocupam a maior parte dos cargos. Para o Fórum, "terão sucesso na economia do futuro as pessoas que podem complementar o trabalho feito por tecnologias mecânicas ou algorítmicas e trabalhar com as máquinas".

Contudo, mesmo com essa previsão preocupante, Saadia Zahidi, chefe de educação, gênero e iniciativa do sistema de trabalho no Fórum Econômico Mundial, acredita que o futuro pode acabar acontecendo de um jeito diferente com a chegada das novas gerações ao mercado de trabalho. Ela acredita que as conversas públicas sobre assédio sexual e equiparação de gêneros na sociedade podem reverter esse cenário. "Nós temos o poder em nossas mãos para mudar de verdade. A questão é: nós temos a coragem para isso?", questiona.

via Canaltech

Publicado por Carlos Trentini

Eu, eu mesmo e eu, agora e nas horas vagas...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *