Samsung quer abrir maior fábrica de displays OLED do mundo

Samsung Logo

A Samsung marcou para o segundo semestre deste ano o início da fabricação da maior fábrica de displays OLED do mundo, na expectativa de manter sua posição como maior fornecedora desse tipo de tecnologia na medida em que a demanda por ela aumenta. Hoje, ela mantém uma fatia de 95% desse mercado e atende praticamente todas as empresas que trabalham com telas desse tipo.

É da Samsung, também, uma das maiores unidades de fabricação de painéis OLED do mundo, e a ideia é expandir a capacidade atual de fabricação em, pelo menos, 30%. Quando completada, a nova fábrica de displays será capaz de entregar 180 mil unidades por mês. O número representa a soma de todas as usinas da empresa, entregue por uma única planta.

Além da gigante, a ideia é construir mais duas unidades menores, que juntas, seriam capazes de fabricar mais 270 unidades mensais adicionais. Enquanto esses planos ainda estão sendo estudados, as estratégias para a fábrica gigantesca já estão em andamento e a ideia é que ela entre em funcionamento pleno e ritmo máximo até meados de 2019.

No total, o investimento será de mais de US$ 21 bilhões na fabricação de componentes OLED, sendo US$ 1,75 bilhão apenas na construção da unidade e mais US$ 14 bilhões em equipamentos para coloca-la para funcionar. São números que devem mostrar seu impacto nos relatórios financeiros da companhia, mas que são bem vistos por executivos e investidores como forma de manter o market share e aproveitar uma das maiores e mais lucrativas tendências do mercado mobile.

A grande visão para o futuro é a substituição do padrão de telas para smartphones pelo OLED, mais barato, com resultados visuais melhores e maior economia de energia. Um dos principais clientes da Samsung, inclusive, é a Apple, com apenas os pedidos relacionados ao iPhone constituindo numa das maiores fontes de recurso da companhia. E na medida em que o interesse por novas gerações do smartphone aumenta, a empresa coreana deseja manter esse parceiro tão valoroso.

Rumores, aliás, apontam para uma expansão em uma das unidades de produção de displays OLED da Samsung, motivada, justamente, por um pedido gigantesco feito pela Apple. Os boatos não foram confirmados por nenhuma das partes envolvidas, claro, mas são mais uma amostra de que a companhia de Cupertino estaria prestes a mudar a tecnologia das telas de seu smartphone.

A dificuldade de obter um ritmo adequado de painéis, inclusive, teria sido o motivo pelo qual a Maçã teria desistido de usar telas OLED no iPhone 7. A expectativa, entretanto, é que isso mude no lançamento deste ano, incrementando a pressão sobre os fornecedores para entrega de componentes.

Além disso, existe também uma demanda, menor, da indústria de dispositivos vestíveis, interessada, principalmente, nas telas com capacidade de curvatura. Aqui, os displays OLED também são a melhor opção, por não perderem a forma ou qualidade durante o processo, além das capacidades de eficiência energética já citadas, essenciais para qualquer relógio, pulseira ou outro dispositivo inteligente.

Fontes: ET News, iPhone Hacks

via Canaltech

Deixe uma resposta