Para ler com a estreia: 5 edições sensacionais da Mulher-Maravilha

O aguardado longa da Mulher-Maravilha chega nesta semana às telonas brasileiras, com a promessa de superar a má impressão deixada entre boa parcela do público que viu “Batman vs Superman: A Origem da Justiça” e “Esquadrão Suicida”, até porque ambos fazem parte do universo cinematográfico da DC Comics na Warner Bros. Para celebrar a chegada do filme, selecionamos algumas de suas melhores histórias nos quadrinhos.

Vale lembrar que todas as edições têm arcos completos e foram publicadas no Brasil — podem ser encontradas em sebos e lojas especializadas. As mais recentes até mesmo devem ainda estar nas prateleiras de bancas. Vamos lá:

1 – Mulher-Maravilha: Espírito da Verdade (Editora Abril/2002)

A edição de luxo faz parte de uma coleção de graphic novels da dupla Paul Dini, conhecido pelos roteiros de “Batman Animated” e Alex Ross, famosos pelos traços pintados realistas. A trama mostra a origem da heroína sob o olhar de sua mãe e Diana tentando se ajustar ao nosso mundo como embaixadora da Ilha Paraíso. O filme deve também explorar a adaptação da princesa, desta vez no mundo da Primeira Guerra Mundial.

2- Mulher-Maravilha: Terra Um (Panini Comics/2016)

Outra edição com acabamento refinado, Terra Um é uma carta de amor de Grant Morrison pelo trabalho do criador da heroína, William Moulton Marston. As sugestões bondage e provocações sexuais presentes no início da carreira — uma revolução para os padrões da época — de Diana Prince são atualizadas, inclusive com o incrível visual desenvolvido por Yanick Paquette. Todas as formas são orgânicas e sinuosas e até alguns elementos fazem referência ao corpo da mulher. É algo muito bonito, sem a hipersexualização que a personagem sofreu nos anos 90, muito mais voltado à beleza da mulher e o empoderamento feminino.

3- Mulher-Maravilha: Sangue (Panini Comics/2016)

A Mulher-Maravilha sempre teve raízes ligadas à clássica mitologia grega e com o reboot da DC Comics com os chamados Novos 52 o escritor Brian Azzarello (o criador da ótima série “100 Balas”) e o desenhista Cliff Chiang recontaram sua origem incluindo detalhes muito interessantes. Os mistérios por trás desse reinício deu largada a um novo status quo para a heroína, que se tornou um dos seres mais poderosos do Universo DC Comics, até mais do que o ícone Superman. Destaque para as incríveis sequências de ação criadas por Chiang.

4- Mulher-Maravilha: Direito de Nascença (Panini Comics/2016)

Uma batalha entre os deuses do Olimpo faz com que Diana Prince entre na briga e com isso a dupla Azzarello e Chiang continua sua divertida releitura da mitologia clássica, adicionando vários elementos ao cânone da heroína. Suas armas mágicas são melhores explicadas e nos trailers da adaptação já deu para notar que boa parte dessa história daqui deve ser explorada também no longa-metragem. Mais uma vez: fique de olho na narrativa de Chiang e no texto épico de Azzarello.

5- Mulher-Maravilha: Hicketeia (Panini Comics/2003)

Segundo a tradição grega da Hiketeia, um suplicante fica vinculado ao seu mestre com relação de respeito mútuo e proteção. Por isso, a princesa Diana de Themyscira precisa defender Danielle Welly a todo custo. A história, escrita por Greg Rucka e desenhada por J. G. Jones, explora a adaptação da heroína em um mundo machista dominado pela educação patriarcal — o contraste vem de um certo Homem-Morcego… Nada mais adequado para o momento em que vivemos, não? Essa trama também deve se conectar bastante com o filme.

Gostaram da lista? Faltaram ainda célebres arcos de artistas como John Byrne, George Pérez, Phil Jimenez e do próprio William Moulton Marston, entre outros. Espero que gostem e aproveitem ainda mais a chegada da amazona aos cinemas.

via Novidades do TecMundo

Deixe uma resposta