Especial fintechs: 5 plataformas para ajudar a sua vida financeira

Fintech

Dois mil e dezesseis ficou marcado como o ano em que o Brasil de fato acordou para o mercado de Fintechs. Observamos o surgimento de centenas de novas empresas e organizações, além da proliferação de eventos voltados para o tema.

Um bom exemplo é o Fintech Awards Latam que realizou sua segunda edição em 2017. Este ano, a premiação recebeu 140 projetos e elegeu 5 vencedores: Crypto Market, Moneto, Magnetis, URBE.ME e Kickante. Cada uma se destacou em um aspecto, mas é inegável que todas oferecem ótimos serviços ao consumidor final. Confira abaixo as vencedoras e veja como elas podem te ajudar a melhorar sua vida financeira ou realizar um projeto:

Inclusão financeira

Na categoria inclusão financeira, o Moneto levou a melhor. A startup permite que pequenos empresários envie cobranças online pelo celular. O pagador (cliente do autônomo) opta por quitar a dívida via boleto e/ou cartão de crédito acelerando. A ideia principal é agilizar o recebimento do dinheiro pelo autônomo e promover o crescimento de seus negócios.

“Estudando mais a fundo ficou claro que o recebimento em dinheiro e cheque é caro e logístico, pois pede que o autônomo se desloque, vá até o seu cliente final e às vezes nem receba o valor total. O tempo que ele poderia captar novos clientes acaba sendo perdido na cobrança de clientes antigos. Por outro lado, o pagador tem a comodidade de fazer o pagamento com cartão ou outros meios eletrônicos, sem precisar ir ao banco para tirar dinheiro e etc”, lembra Marcos Arruda, CEO da plataforma.

Modelo de negócio

A Magnetis, por sua vez, faturou o prêmio por ter o melhor modelo de negócios. A plataforma monta um plano de investimento personalizado, baseada nas respostas do usuário a um simples questionário, e começa a investir em poucos minutos. Os algoritmos foram criados para ler e analisar as respostas dos clientes e, então, definir a composição ideal de investimentos, de acordo com seus objetivos e perfil de riscos.

O serviço gratuito, que faz simulação de um plano de investimentos, já foi testado por mais de 30 mil usuários em pouco mais de dois anos. Uma parcela virou cliente e colocou o plano em prática. “Quando isso acontece, a Magnetis abre um conta na corretora Easynvest de acordo com as ordens de compra do investidor. O cliente acompanha tudo pela plataforma e pode fazer aportes adicionais pelo painel de controle na área logada”, explica Luciano Tavares, CEO da fintech.

Tração

Devido a grande tração do público, a URBE.ME ficou entre as finalistas da premiação. A ideia da plataforma é apresentar investimento imobiliário para qualquer pessoa e não apenas aquelas dispostas a oferecer altas quantias. O investidor faz o cadastro, vê as oportunidades disponíveis, faz a reserva de investimentos a partir de R$ 1 mil e confirma o aporte realizando a transferência em até 24 horas. Ele acompanha as etapas da obra pela plataforma e, ao final do projeto, recebe os rendimentos.

“Vale destacar que o investidor não é avaliado e não tem nenhum custo para investir via URBE.ME. Fazemos uma rigorosa seleção dos empreendimentos. Hoje mais de 90% dos incorporadores que nos procuram não passam em algum dos critérios de avaliação, que são: saúde financeira da incorporadora, viabilidade econômica do empreendimento, análise de arquitetura e engenharia do projeto, e análise mercadológica”, explica Paulo Deitos, fundador da startup.

Tecnologia disruptiva

A Crypto Market venceu como fintech disruptiva e é a única entre as vencedoras de fora do Brasil. A plataforma chilena permite receber e enviar valores (ethereum ETH) digitalmente, em segundos e em qualquer lugar do mundo. O usuário administra, transfere, compra e líquida seus valores digitais por meio de uma interface bem simples e intuitiva.

Segundo a fintech, 60% da população da América Latina é deixada de fora dos serviços intermediários. Por isso a Crypto Market nasceu para assegurar que participantes do mercado de diferentes países e culturas troquem valores pela web.

A tecnologia também gera automaticamente ordens de compra e venda por meio da funcionalidade Instant Exchange, segundo as condições de mercado. Além disso, a plataforma permite escolher, adquirir ou vender valores digitais via ordens de mercado (formato de comércio avançado) e conhecer os detalhes da cada operação no registro histórico.

Experiência do usuário

Por fim, a Kickante ganhou o prêmio por levar a melhor experiência ao usuário. A plataforma possui três produtos: crowdfunding, Clube Mensal de Contribuições e Eventos do bem. O mote é a arrecadação de fundos para projetos, mas com diferentes modalidades.

O crowdfunding é o já conhecido formato de financiamento coletivo. Um projeto vai ao ar e interessados podem colaborar com o valor que puder ganhando diferentes “premiações” em troca. O Clube Mensal de Contribuição, mais voltado a ONGs, artistas, atletas e etc, permite que as pessoas continuem colaborando financeiramente com os projeto mesmo após a campanha de crowdfunding ser encerrada. E o Eventos do Bem, já com 300 ONGs cadastradas, incentiva terceiros a criarem campanhas de arrecadação para as organizações não-governamentais.

“Através da campanha de crowdfunding, é possível saber se um determinado serviço ou produto fará sucesso entre os consumidores. Muitas empresas, inclusive, já utilizam o crowdfunding para analisar itens como acessos, compartilhamentos, melhor canal de desempenho, aceitação do produto, logística e etc”, comenta Candice, fundadora do site.

Quer saber mais sobre fintechs? Confira nosso especial.

via Canaltech

Deixe uma resposta