IBM disponibiliza computador quântico de 16-qubit para plataforma em nuvem

Nesta quarta, IBM também anunciou que testa em laboratório processador de 17-qubits; Companhia espera produzir máquina de 50-qubit nos próximos anos


Há um tempo a IBM tem testado possibilidades na computação quântica e agora a companhia conta com novas opções para empresas que queiram experimentar a tecnologia.

A expectativa é que computadores quânticos, quando se tornarem comercialmente disponíveis, superem os computadores convencionais em uma série de domínios, incluindo aí aprendizado de máquina, criptografia e a otimização de problemas no campo de logística e análise de risco. 

Enquanto computadores convencionais lidam com ‘uns’ ou ‘zeros’, os processadores em computadores quânticos usam qubits, que conseguem simultaneamente operar ‘uns’ e ‘zeros’, um estado chamado de superposição. Em resumo, um único qubit pode conter dois valores de uma só vez. Isso permite que um computador quântico com um processador de 5-qubit performe um cálculo para 32 inputs diferentes ao mesmo tempo. 

Nesta quarta-feira (17), a IBM anunciou que levou para a nuvem um computador quântico de 16-qubit para clientes da plataforma IBM Cloud testarem, um grande passo em relação a máquina de cinco qubits disponibilizada anteriormente. A companhia disse que aquela máquina já foi usada para conduzir 300 mil experimentos de computação quântica para seus usuários de serviços na nuvem.

Mas isso não é tudo: A IBM agora conta com um protótipo de um sistema de 17-qubit trabalhando em seu laboratório, que diz que oferece duas vezes a performance da máquina de 16-qubit.

Ainda é difícil comparar a performance de computação quântica. Muito depende da “qualidade” dos qubits no processador, que confiam em um fenômeno quântico de nível atômico de curta duração que, portanto, é instável.

A IBM, então, está propondo uma nova medida de performance de computação quântica que chama de volume quântico, que leva em consideração as interconexões entre os qubits e a confiança dos cálculos que performam. 

A divisão de computação quântica da companhia, a IBM Q, tem como meta produzir um computador quântico de 50-qubit nos próximos anos. 

 

via IDG Now!

Deixe uma resposta