Google acusa Uber de criar empresa falsa para roubar tecnologia de carro autônomo

No mais recente capítulo de uma disputa que começou em fevereiro, a Waymo acusa o Uber de montar uma empresa apenas para roubar a tecnologia de carro autônomo que o Google estava desenvolvendo. A alegação vem depois de o Uber se defender nos tribunais com argumentos como o de que os documentos referentes à tecnologia não foram armazenados em seus computadores, não havendo, portanto, prova de seu envolvimento no caso.

A história toda foi explicada aqui, mas eis um resumo: em 2016, o Uber comprou uma startup focada em caminhões autônomos; porém, o principal nome por trás da Otto, como era chamada a empresa, é Anthony Levandowski, engenheiro que trabalhou justamente no carro autônomo do Google. Ele saiu da empresa para montar o negócio, mas teria levado antes documentos sigilosos relacionados à tecnologia do projeto.

Waymo

O projeto de carro autônomo do Google continua em desenvolvimento, mas, agora, a divisão se chama Waymo. O suposto vazamento foi descoberto quando a empresa recebeu um email de um fornecedor de peças que continha detalhes confidenciais de uma placa de circuito usada no veículo. Aparentemente, o email chegou à Waymo por engano, pois o destinatário principal era o Uber.

Depois desse episódio, uma investigação interna foi iniciada. Com base nela, a Waymo descobriu que, seis meses antes de sair do Google, Levandowski baixou em seu notebook pessoal mais de 14 mil arquivos relacionados ao projeto. Alguns meses depois, Levandowski criou a Otto.

Não poderia haver outra consequência: o Uber foi levado aos tribunais. Inicialmente, a companhia simplesmente negou as acusações, mas, vendo que não era suficiente, mergulhou no assunto para tentar encontrar elementos eficazes de defesa.

Como a Waymo já conseguiu reunir evidências de que Levandowski baixou mesmo os 14 mil arquivos, mas ainda não provou que esse material foi usado pela Otto, o Uber passou a alegar que não tem envolvimento com o vazamento.

Mas, para a Waymo, há envolvimento, sim: seus advogados afirmam que a Otto teria sido montada justamente para ser comprada pelo Uber. Nesse sentido, a startup cumpriu o papel de encobrir o plano principal — o suposto roubo de tecnologia. Como possível evidência, os advogados citaram um acordo que teria feito Levandowski receber mais de US$ 250 milhões em ações do Uber apenas um dia depois de sair do Google.

O CEO do Uber Travis Kalanick (esquerda) e Anthony Levandowski

O CEO do Uber Travis Kalanick (esquerda) e Anthony Levandowski

Apesar dos esforços da Waymo, ainda não há provas contundentes contra o Uber. A defesa alega, por exemplo, que a concessão de ações a Levandowski foi feita na data de aquisição da Otto, em agosto de 2016, mas a operação foi retroativamente datada para janeiro do mesmo ano (época em que Levandowski saiu do Google), uma prática relativamente comum — é como se o Uber quisesse compensar Levandowski pelo tempo de existência da Otto.

Muitas pedras ainda vão rolar nessa história. Os juízes que analisam o caso estão bastante cautelosos, naturalmente, para evitar equívocos — talvez o Uber tenha gastado bastante dinheiro com o negócio na intenção apenas de contratar um engenheiro com grande domínio do assunto, por exemplo.

Se considerada culpada, porém, o Uber poderá ter que pagar indenizações gigantescas e ser forçada a descontinuar seu projeto de veículo autônomo.

Com informações: Ars Technica, Engadget

Google acusa Uber de criar empresa falsa para roubar tecnologia de carro autônomo

via Tecnoblog

Publicado por Carlos Trentini

Eu, eu mesmo e eu, agora e nas horas vagas...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *