10 fotos sobre evolução que parecem feitas no microscópio

A evolução das espécies não foi um feito isolado que aconteceu no passado e por lá ficou, ela foi e continua sendo um processo que deixa marcas. E para perceber esses indícios não precisa ser cientista ou paleontólogo, basta olhar ao redor com um pouco mais de atenção.

Foi dessa observação atenta que nasceu o trabalho do fotógrafo nova iorquino Robert Clark. Ele passou mais de uma década fotografando plantas, insetos, fósseis e mamíferos para um artigo sobre evolucionismo. Ao longo dessa apuração, Clark capturou mais de 200 imagens que valorizam a beleza da natureza e a complexidade da vida na terra. Essas fotos foram reunidas no livro Evolution: a Visual Record, escrito pelo Joseph Wallace.

  • 1. GALERIA – Evolução

    zoom_out_map

    Insetos como o bicho-folha são típicos resultados da seleção natural. Eles imitam a cor e estrutura das plantas para se esconderem de predadores.

    1/10 Insetos como o bicho-folha são típicos resultados da seleção natural. Eles imitam a cor e estrutura das plantas para se esconderem de predadores. (Cortesia | Robert Clark)

  • 2. GALERIA – Evolução

    zoom_out_map

    Apesar dos cientistas acharem que existem mais semelhanças entre répteis e dinossauros, é difícil olhar para essa foto de um Casuar-do-sul e não lembrar de seres jurássicos.  E a comparação não é à toa, a ave, nativa da Austrália e Indonésia, é uma das maiores do mundo, podendo medir 190 cm e chegar a pesar 85 kg.

    2/10 Apesar dos cientistas acharem que existem mais semelhanças entre répteis e dinossauros, é difícil olhar para essa foto de um Casuar-do-sul e não lembrar de seres jurássicos.  E a comparação não é à toa, a ave, nativa da Austrália e Indonésia, é uma das maiores do mundo, podendo medir 190 cm e chegar a pesar 85 kg. (Cortesia | Robert Clark)

  • 3. GALERIA – Evolução

    zoom_out_map

    Os primeiros líquens apareceram há, no mínimo, 4 milhões de anos. Eles são compostos de fungos e algas ou cianobactérias, por isso ainda existe um impasse sobre como classificá-los.

    3/10 Os primeiros líquens apareceram há, no mínimo, 4 milhões de anos. Eles são compostos de fungos e algas ou cianobactérias, por isso ainda existe um impasse sobre como classificá-los. (Cortesia | Robert Clark)

  • 4. GALERIA – Evolução

    zoom_out_map

    A ossada de uma baleia pré-histórica com resquícios de pernas

    4/10 A ossada de uma baleia pré-histórica com resquícios de pernas (Cortesia | Robert Clark)

  • 5. GALERIA – Evolução

    zoom_out_map

    Os cientistas acreditam que as medusas podem ter sido os primeiros animais a desenvolverem órgãos e a conseguirem nadar com fluidez ao invés de flutuarem na água.

    5/10 Os cientistas acreditam que as medusas podem ter sido os primeiros animais a desenvolverem órgãos e a conseguirem nadar com fluidez ao invés de flutuarem na água. (Cortesia | Robert Clark)

  • 6. GALERIA – Evolução

    zoom_out_map

    Esta pata de cinco dedos pertence ao crocodilo de água salgada. Ele é um dos maiores répteis presentes na natureza. E sim, no caso desses crocodilos, tamanho é documento – são muito perigosos, suas presas podem ser desde pequenos anfíbios até animais de grande porte como búfalos e macacos.

    6/10 Esta pata de cinco dedos pertence ao crocodilo de água salgada. Ele é um dos maiores répteis presentes na natureza. E sim, no caso desses crocodilos, tamanho é documento – são muito perigosos, suas presas podem ser desde pequenos anfíbios até animais de grande porte como búfalos e macacos. (Cortesia | Robert Clark)

  • 7. GALERIA – Evolução

    zoom_out_map

    <span>O salmão é um peixe que perdura ao longo dos anos na natureza pelo número de ovos que cada fêmea é capaz de colocar – 35 mil ovos ao mesmo tempo. Na foto, é possível observar alevinos da espécie.</span>

    7/10 O salmão é um peixe que perdura ao longo dos anos na natureza pelo número de ovos que cada fêmea é capaz de colocar – 35 mil ovos ao mesmo tempo. Na foto, é possível observar alevinos da espécie. (Cortesia | Robert Clark)

  • 8. GALERIA – Evolução

    zoom_out_map

    Foi a partir da orquídea <i>Angraecum sesquipedale </i>que Charles Darwin criou a hipótese de que a flor teria que ser polinizada por um inseto com um “focinho” muito maior que os que existiam na ilha de Madagascar, de onde a planta é nativa. O inseto, até então desconhecido, só foi descoberto depois da morte de Darwin. Essa história sobre a polinizadora misteriosa é uma das mais famosas da teoria da evolução.

    8/10 Foi a partir da orquídea Angraecum sesquipedale que Charles Darwin criou a hipótese de que a flor teria que ser polinizada por um inseto com um “focinho” muito maior que os que existiam na ilha de Madagascar, de onde a planta é nativa. O inseto, até então desconhecido, só foi descoberto depois da morte de Darwin. Essa história sobre a polinizadora misteriosa é uma das mais famosas da teoria da evolução. (Cortesia | Robert Clark)

  • 9. GALERIA – Evolução

    zoom_out_map

    O que um Rato-toupeira-pelado e uma abelha tem em comum? Aparentemente nada, mas ambos são animais que vivem em colônia. Além do aspecto asqueroso, este roedor chama a atenção dos cientistas por ter desenvolvido uma mutação genética que produz açúcares capazes de impedir o crescimento das células cancerosas em seu organismo. Por causa dessa mutação, um Rato-toupeira-pelado pode ultrapassar os 30 anos de vida.

    9/10 O que um Rato-toupeira-pelado e uma abelha tem em comum? Aparentemente nada, mas ambos são animais que vivem em colônia. Além do aspecto asqueroso, este roedor chama a atenção dos cientistas por ter desenvolvido uma mutação genética que produz açúcares capazes de impedir o crescimento das células cancerosas em seu organismo. Por causa dessa mutação, um Rato-toupeira-pelado pode ultrapassar os 30 anos de vida. (Cortesia | Robert Clark)

  • 10. GALERIA – Evolução

    zoom_out_map

    Livro <a href="http://ift.tt/2igc79L; target="_blank">Evolution: a Visual Record</a>(2016), de Robert Clark, ainda sem título em português

    10/10 Livro Evolution: a Visual Record(2016), de Robert Clark, ainda sem título em português (Cortesia | Robert Clark)

via Superinteressante

Publicado por Carlos Trentini

Eu, eu mesmo e eu, agora e nas horas vagas...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *